Cantora​

Violonista

Brasileira, neta de cearense com capixaba, filha de mineiro com carioca, nasceu no Rio de Janeiro, na comunidade da Rocinha. Lá descobriu a paixão pela música, aprendeu que a amizade é como oxigênio e que família é para sempre. 

Cantora, compositora e instrumentista, estuda música desde os 12 anos, quando iniciou com aulas de flauta doce na Escola de Música da Rocinha. Começou a compor aos 16 anos, logo depois de aprender a tocar violão.

 

Pela própria escola de música veio a oportunidade de fazer duas turnês na Alemanha como cantora. A primeira em 2003 e a segunda em 2009. Ambas tinham no repertório apenas músicas brasileiras, a saber: sambas, bossas, choros e forrós.

 

Paralelamente Michele sempre desenvolveu um trabalho solo com MPB - Música Popular Brasileira. Tocou em muitos hotéis, bares e restaurantes no Rio de Janeiro, além das diversas festas.



Em 2006 durante os preparativos para os jogos Pan Americanos no Rio, a cantora foi convidada a cantando o hino dos Guias Cívicos (projeto desenvolvido pela SENASP - Secretaria Nacional de Segurança Pública), órgão responsável pela segurança pública ns jogos. O SENASP desenvolveu ações com jovens nas comunidades do Rio de Janeiro a fim de prevenir a violência e levar a participação das comunidades para os estádios. O hino foi composto por Sérgio Barata também cria da comunidade. A participação durou aproximadamente um ano, a cantora canotou em reuniões no Ministério da Justiça em Brasília, em outros Estados do Brasil, além do evento de formatura dos Guias Cívicos que aconteceu no Maracanãzinho-RJ com a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.



Além de cantora e compositora, Michele atuou também como produtora cultural.

Em 2012 participou do Solos Culturais, curso de formação em produção cultural e pesquisa pelo Observatório de Favelas. O projeto aconteceu em 5 favelas do Rio de Janeiro - Rocinha, Manguinhos, Penha, Alemão e Cidade de Deus. Em 10 meses foram trabalhados conceitos de cultura, intervenção urbana, ações, pesquisas e mapeamentos culturais, que resultou também na publicação de um livro.

Ainda em 2012 a recém produtora produziu esporadicamente o D'SlumBrante, o evento tinha o objetivo de reunir artistas independentes de territórios marginalizados pelo poder público ou pela sociedade civil. Artistas de vários segmentos se apresentaram num processo de mostragem. O evento aconteceu mais de uma vez na comunidade da Rocinha sem qualquer patrocínio.



Michele Castro continuará suas pesquisas sobre os artistas independentes para realização de outros projetos com o intuito de trocar ideias, arte e cultura de territórios pouco valorizados pela maioria. 

 

Atualmente residindo nos Estados Unidos, lugar que tem inspirado-a a cantar mais músicas brasileiras, valorizando ainda mais sua cultura, seu povo, a sua terra natal.

 

Singer

Guitarist

Brazilian, with grandparents from Ceará and Espírito Santo, daughter of parents from Minas Gerais and Rio de Janeiro, Michele was born in Rio in the Rocinha favela. There, she discovered a passion for music and learned that friendship is like oxygen and family is forever.

Singer, composer and instrumentalist, Michele has been studying music since she was 12 years old, starting on flute at the Escola de Música in Rocinha. She began to compose at 16 years old, soon after learning how to play the guitar.

 

At the music school, she was given the opportunity to participate in two tours in Germany (2003 & 2009) as lead singer of a Choro band. Repertoire for both tours was composed of Brazilian music such as Samba, Bossa Nova, Choro and Forró.

 

At the same time, Michele was continually playing a solo MPB (Música Popular Brasileira) repertoire in hotels, private parties, bars and restaurants in Rio de Janeiro.

 

In 2006, during preparations for the Pan American Games in Rio, Michele was invited to sing the “Guias Civicos” anthem. This project was developed by SENASP, the National Secretary of Public Security, which was the institution responsible for security during the games. SENASP worked with youth in the communities of Rio de Janeiro in order to prevent violence and to involve the participation of the communities at the stadiums. The hymn was composed by Sérgio Barata who was born and raised in the Rocinha community. Michele participated in the project over the course of one year and was asked to sing the anthem in meetings for the Ministry of Justice in Brasilia as well as in other states in Brazil. Her most memorable moment was singing in the closing ceremony which occurred at Maracanãzinho in the presence of President Lula.

 

Besides singing and composing, Michele also works with cultural production. In 2012, she participated in a course called Solos Culturais, where participants learned about cultural production and research through the “Favela Observatory”. The project took place in five favelas in Rio de Janeiro, including Rocinha, Manguinhos, Penha, Alemão and Cidade de Deus. Over the course of 10 months, the participants discussed concepts about culture, urban intervention, action, research and cultural mapping that resulted in the publication of a book on the subject.

In 2012, Michele began to produce an event called D'SlumBrante with the objective of bringing together independent artists from territories that had been marginalized by the government or society. Artists from a variety of genres presented at the event, including musicians, actors, dancers, photographers and poets. D'SlumBrante took place without sponsors, and always in the Rocinha community.

 

Michele Castro will continue with her research about independent artists in order to bring about future projects that represent art and culture in underrepresented areas.

 

Currently, Michele resides in the United States, a place which has inspired her to delve deeper into the production of Brazilian music, valuing her culture, her people and her native country even more.

 

 

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now